Património Natural
A beleza natural da Madeira é o seu grande e inestimável trunfo. Com cenários extasiantes, entre a imponência da montanha, a vegetação exuberante e os horizontes quinhentistas do Atlântico, o poder de sedução da ilha reforçou-se em 1999. A Floresta Laurissilva encontra, na Madeira, as suas maiores reservas entre as ilhas que compõem a região da Macaronésia. Alcandorada a Património Natural da Humanidade, pela UNESCO, a preservação da Laurissilva representa, toda ela, um postulado que orienta a relação entre a Natureza e a intervenção humana. As levadas, construção hercúlea que remonta aos primeiros tempos do povoamento, são veículos excecionais para uma viagem às origens. Congeminadas por visionários e construídas por heróis anónimos a cujo estoicismo a Madeira muito deve, as levadas serviram para abastecer o sul com os recursos hídricos que abundavam a norte. A evolução trouxe outros canais de irrigação, embora as levadas continuem a cumprir a sua função. Hoje, contudo, estes cursos de água distinguem-se como itinerários pedestres.    Se a romântica Veneza foi construída sobre um pântano, com os seus canais a nutrirem devaneios líricos intemporais, a viabilidade da Madeira como ilha habitável dependeu, também, dos cursos de água que desafiam e desbravam a sua orografia hostil. O tépido Atlântico, naturalmente, acentua o efeito de encantamento que a Madeira exerce sobre os forasteiros. Nicho de mercado que tem vindo a registar um grande desenvolvimento, as atividades náuticas proporcionam momentos inolvidáveis. Percorrer a costa sul da Madeira, por exemplo, com o intento de observar cetáceos conquistou lugar entre a miríade de atrações que a primeira ilha das Descobertas assegura. Com a silhueta quase mística das Desertas, ao fundo, as águas que foram ventre de Novos Mundos poderão conduzi-lo, como por hipnose, ao areal do Porto Santo, uma das praias elevadas ao estatuto de Maravilha de Portugal.