Património Cultural

O Funchal foi a primeira cidade fundada por europeus fora do Velho Continente. Por graça do Rei D. Manuel, o Funchal justificou um estatuto que lhe foi outorgado em 1508. No ano da elevação do Funchal a cidade, a Sé já acolhia celebrações religiosas. Concluída em 1514, a Sé corporiza uma das principais atrações arquitetónicas da Região Autónoma da Madeira, legatária do Estilo Manuelino. No adro, um busto de João Paulo II imortaliza a sua passagem pela Madeira, em 1993.

A herança patrimonial da Madeira é vasta e alguns dos edifícios exigem, no âmbito dos roteiros culturais, visita obrigatória. O Forte de São Tiago e a Fortaleza do Pico, construídos durante o período Filipino com o propósito de proteger a cidade dos ataques de corsários, prosseguem a sua missão defensiva, agora contra o assalto do esquecimento. A Igreja do Colégio - vestígio do fulgor Jesuíta - e o Convento de Santa Clara testemunham a influência da Igreja Católica nas várias dimensões da História madeirense.

  Substrato fundador daquela que viria a ser a cidade do Funchal, a Zona Velha, onde se situa o Forte de São Tiago, é depositária das mais genuínas raízes. A Rua de Santa Maria, a mais antiga da ilha e precursora da malha urbana, expõe a relação íntima entre a cidade e o mar. Longa e exígua, ladeada por casas pequenas com traços distintivos da arquitetura madeirense, a Rua de Santa Maria e toda a Zona Velha da cidade recuperaram a exuberância dos tempos áureos. As intervenções artísticas, conjugadas com a recuperação do património arquitetónico, contribuíram para devolver grandes fluxos turísticos ao berço da cidade.